Tchau, flacidez, tchau!

Quem está acostumada a usar blusinhas com manga, sabe como é difícil expor a flacidez – mais do que exibida – nos braços. Basta um simples aceno para que o danado do tríceps, músculo localizado entre o cotovelo e o ombro (também chamado de músculo do tchau), denuncie a idade, os quilos a mais e até o sedentarismo. “A região balança ao menor movimento pela falta natural de tonicidade, propensão ao acúmulo de gordura localizada e também pela ação da própria gravidade”, explica o cirurgião plástico Alexandre Barbosa, sócio-proprietário da Clínica de Cirurgia Plástica de São Paulo. Para o também cirurgião plástico André Eyler, do Rio de Janeiro, o problema também está relacionado à qualidade do colágeno da pele e isso está ligado à genética de cada pessoa, sobretudo aos hábitos de vida dela, como a prática de atividade física e a alimentação. Em geral, o desconforto costuma aparecer após os 35 anos e progride de acordo com o avanço da idade. “É claro que muitas pessoas podem apresentar o quadro mais cedo, mas não podemos dizer que existe um fator desencadeante”, complementa Eyler.
Para manter os braços firmes por um longo período, o ideal é tonificar os músculos com exercícios físicos localizados, pois a região ganha volume e a flacidez diminui. No entanto, dependendo da gravidade do caso, é preciso recorrer à cirurgia plástica para retirar o excesso de pele. Lipo, colocação de próteses de silicone e lifting de braços são os procedimentos mais recomendados. “Ainda assim, é bom fazer pelo menos três meses de exercícios antes da operação para garantir melhores resultados e corrigir apenas o que não foi possível eliminar naturalmente”, avisa Alexandre Barbosa.
Veja, agora, um raio X das técnicas mais recomendadas para devolver a beleza à região.

Turbine o resultado

Há equipamentos estéticos eficientes que ajudam a melhorar a textura da pele antes de se partir para uma cirurgia e que podem ser indicados mesmo depois de um procedimento mais invasivo, como lipoaspiração. “Um excelente método complementar é o tratamento com radiofrequência. Ele ocasiona a retração de colágeno e um encolhimento da pele”, explica o médico André Eyler. Entre os aparelhos mais novos está o Tri-Polar MAX 6 Contour. “Ele faz parte da 3ª geração da tecnologia de radiofrequência e possui um sistema que atinge ao mesmo tempo as camadas superficiais (derme) e profundas (hipoderme) do tecido cutâneo, agindo no colágeno e nas fibras elásticas, ativando a circulação e, ainda, eliminando o excesso de líquido das células de gordura”, explica Jorge Mariz, dermatologista do Espaço Personal Clinic, no Rio de Janeiro. São indicadas cinco aplicações, com intervalos de 15 a 30 dias entre cada uma. A sessão dura cerca de 20 a 30 minutos e custa, em média, R$ 500.

Efeito gelatina? Aposte nas próteses de silicone

Elas preenchem o local, acabando com o excesso de pele, e ainda deixam o braço mais firme e torneado. “A técnica corrige a flacidez leve dando um tom de braço modelado em academia”, garante Alexandre.

Indicação: membros superiores com flacidez de leve a moderada.
Como é o procedimento: a prótese é inserida por meio de uma pequena incisão próxima à axila. Anestesia: local ou geral, dependendo do caso.
Vantagem: o resultado fica natural e a região ganha contornos definidos.
Desvantagem: em casos de flacidez exagerada, a colocação das próteses de silicone pode agravar a situação.
Pós-operatório: é necessário fazer repouso durante 45 dias. A primeira quinzena depois da operação é a mais difícil, pois a adaptação ao novo contorno da região pode dificultar os movimentos. Depois desse período, o inchaço diminui e após 180 dias já é possível ver o resultado final. É proibida a exposição ao sol, dirigir e realizar movimentos bruscos ou pegar objetos pesados até a recuperação total.
Preço: em média de R$ 4 mil a R$ 5 mil.

Gordurinhas em excesso?  Lipoaspiração nelas!

Se o motivo do desconforto é o acúmulo de células adiposas, associado ou não à falta de tonicidade, a lipoaspiração é o método mais recomendado. “Além da remoção mecânica da gordura, a técnica promove uma importante retração da pele, corrigindo a flacidez, além de não deixar cicatriz”, explica o cirurgião André Eyler.

Indicação: braço gordinho, sem (ou com pouca) flacidez, paciente jovem.
Como é o procedimento: são feitas pequenas incisões na axila, por onde passa a cânula que irá aspirar a gordura. A cirurgia leva cerca de 20 minutos (para cada lado) e a paciente pode voltar para casa no mesmo dia.
Anestesia: local.
Vantagem: “A não ser que haja aumento exagerado de peso, a gordura retirada não retorna mais”, informa Alexandre Barbosa.
Desvantagem: não é recomendada para pessoas mais velhas, pois a retirada de gordura irá aumentar a flacidez cutânea.
Pós-operatório: a região deve ser comprimida com esparadrapo elástico por cinco a sete dias para evitar inchaços e equimoses. São recomendadas sessões de drenagem linfática.
Preço: em média de R$ 3 mil a R$ 4 mil.

Visual gordinho e molenga? Dermolipectomia é a solução

Quando a flacidez está num grau muito elevado, não há outra saída: é preciso partir para o bisturi. “Também chamada de braquioplastia, consiste na remoção local da pele, associada ou não à lipoaspiração. O resultado é muito bom, mas deixa uma cicatriz bastante visível”, avisa o médico André Eyler.

Indicação: flacidez de pele acentuada.
Como é o procedimento: em casos de flacidez em menor grau, a remoção de pele pode ser realizada por meio de uma incisão na axila. Quando há maior excesso de pele, a incisão irá da axila até o cotovelo, sendo feita pelo lado interno do braço. O tempo cirúrgico é de 1 a 2 horas e o período de internação é de 24 horas. Em alguns casos é possível ter alta no mesmo dia.
Anestesia: local e sedação ou anestesia geral. Vantagem: a flacidez é removida por completo. Desvantagem: “A cicatriz fica numa região relativamente aparente. Embora fique na face interna do membro, sempre irá aparecer quando o braço for levantado”, explica Alexandre Barbosa.
Pós-operatório: deve-se usar uma cinta de sustentação própria por alguns dias e cremes para cicatrização. “Atividades rotineiras são retomadas após 20 dias, mas dirigir, carregar peso ou levantar os braços só depois de 30 dias. Para se expor ao sol é necessário aguardar 90 dias”, recomenda o médico.
Preço: em média de R$ 4 mil a R$ 5 mil.

Sem comentários ainda.

Escreva um comentário!

Comentário